Dudu Dantas diz que aceitaria luta contra Patrício Pitbull e analisa Garbrandt: ‘Não vejo muita coisa nele’

Campeão peso-galo do Bellator, Dudu Dantas vem de uma vitória sobre Leandro Higo, em um embate que não foi válido pelo título, já que o desafiante ao cinturão não bateu o peso limite da categoria. Mesmo assim, o detentor da cinta fez o seu trabalho e levou a melhor por decisão dividida dos jurados. Como já passou por grande parte dos lutadores da divisão, o atleta da Nova União já havia declarado vontade de lutar em outras categorias, como a dos penas.

Em entrevista à TATAME, Dudu revelou que aceitaria lutar com o atual campeão dos pesos-penas, Patrício Pitbull, que é parceiro de treinos de Higo. Segundo o lutador da Nova União, são somente negócios.

“Pode até acontecer (a luta contra Patrício, são negócios. O Patrício é um cara que eu admiro, sou fã do Patrício e do Patricky, já os conheço há muito tempo. Mas é aquilo, são negócios, a gente faria uma lutaça nos pesos-penas. Mas o meu objetivo, no momento, é bater nesse Caldwell. Porém, pode acontecer, sim, no futuro, e quero isso também. Consigo bater esse peso de forma tranquila. Contudo, agora quero me focar em ser o melhor peso-galo do mundo. Para isso acontecer, tenho que bater nesses caras todos na minha frente. Independentemente de academia, rival… O que aparecer na minha frente, vou passar por cima e derrubar todos eles, e vocês vão ver que daqui a uns três anos vai estar escrito isso, e vou provar isso para todos. Mas só vou subir para disputar o cinturão”, revelou.

Duds
Dudu foi campeão duas vezes dos pesos-galos e disse que só lutaria na categoria de cima se fosse pelo cinturão (Foto: Behr Dan)
Um lutador que vem fazendo barulho na mesma categoria de Dudu, só que no UFC, é Cody Garbrandt. O lutador da Team Alpha Male, que conquistou o cinturão da divisão dos galos com uma bela vitória sobre Dominick Cruz, mostrou ser um grande perigo para os pesos-galos. Mesmo assim, o campeão do Bellator analisou Garbrandt e destacou que o americano tem a mão pesada, mas que não vê “muito mais que isso”.
“O Garbrandt é um cara que bateu o Dominick, e ele é um cara duro também. Mas eu vi o Dominick com muitas falhas, e a falha que o Cody viu nele, foi a falha que todo mundo conseguia ver já, pois quando o Cruz começa a errar golpe, ele se frustra. Então, o cara começou a jogar com contragolpes nele. O Cody é um cara estranho, ele é muito duro, tem a mão pesada, mas é um cara que não vejo muita coisa nele. Claro, ele bate forte e se mão dele entrar, complica, mas sinceramente, não vejo muita coisa nele, não. Um cara duro, rápido, tem a mão pesada e rápida. Me vendo agora, numa luta com ele, não vejo ele me achando e eu me vejo controlando em todas as áreas. Ele é um bom wrestler, mas não estabiliza o adversário, então enxergo essa luta em cima e na trocação, seria bom para mim”, declarou Dudu, que completou contando um pouco de sua história dentro do Bellator, quando foi questionado se ele era um dos principais lutadores do Bellator.
“Acredito que sim. Todos tem o seu valor, é lógico, mas ganhei o GP, conquistei o título por duas vezes e também defendi, havia perdido de bobeira, por uma coisa que não dei valor e passei a gostar. Claro que todo o seu mal tem sua parte boa, evoluí muito e aprendi muito o Wrestling. E a cada momento que passa, o meu jogo vai mudando e terá que mudar, ainda mais que eu já me consolidei. Se eu quiser atacar, atacarei na hora que quiser, me movimentar, então sei que posso controlar tudo. Agora, só tenho que acrescentar um pouquinho de cada coisa, em pé, no chão, tenho que ser mais pegador e finalizador. Estou me encontrando”, encerrou.
Fonte: Tatame por João Carlos Cavalcanti